Felsberg Advogados
Home | Shell se volta para negócio na área de gás natural
Publicações

Shell se volta para negócio na área de gás natural

Fonte: Valor Econômico – Por Russell Gold | The Wall Street Journal – 17.01.13

“Demanda por combustíveis vai dobrar nos próximos 40 anos. Serão necessários investimentos imensos”, diz Peter Voser, presidente mundial da Shell desde 2009.

 

A Royal Dutch Shell PLC é um colosso moderno: uma companhia de petróleo e gás natural com ativos em 44 países e US$ 470,2 bilhões em receita anual fluindo de seis continentes. Embora ainda seja uma das maiores produtoras de petróleo do mundo, a empresa está cada vez mais concentrada em gás natural, convertendo-o em diesel limpo no Catar e construindo instalações gigantescas para exportação na Austrália, África e Canadá.

Peter Voser, que se tornou diretor-presidente em 2009, toma as decisões finais sobre investimentos estratégicos de bilhões de dólares que às vezes levam décadas para dar retorno, ao mesmo tempo em que se mantém a par dos acontecimentos políticos em todo o mundo. Seu enorme orçamento de US$ 32 bilhões em 2012 foi três vezes maior que os da Google Inc., Boeing Co. e International Business Machines Corp. combinados.

A Shell tem pela frente o desafio de descobrir mais petróleo e gás para substituir o que ela produz e vende hoje, principalmente porque muitas das melhores regiões ainda exploráveis ou são controladas por governos estrangeiros, ou são tecnicamente difíceis de acessar.

Depois de Voser ter concedido esta entrevista ao The Wall Street Journal em Nova York, o projeto de exploração da Shell em condições difíceis no Ártico sofreu uma série de reveses, incluindo danos a uma plataforma de perfuração que encalhou durante transporte no Alasca. A empresa disse que Voser não poderia comentar sobre o programa do Ártico, em parte porque a Guarda Costeira americana está investigando o acidente. Mas o executivo de 54 anos discutiu o futuro dos combustíveis, as operações nas áreas mais agitadas do mundo e as razões pelas quais as políticas de combustível da China podem ser mais inteligentes do que as dos países ocidentais.

 

 

Topo Voltar