Felsberg Advogados
Home | Santo Antônio Energia capta R$ 700 milhões
Publicações

Santo Antônio Energia capta R$ 700 milhões

A Santo Antônio Energia fechou uma captação de R$ 700 milhões com uma emissão de debêntures de infraestrutura. Os títulos contam com isenção de imposto de renda para pessoas físicas e investidores estrangeiros.

A emissão foi realizada em duas séries. Na primeira, com prazo de oito anos, a empresa pagaria juros equivalentes ao título público corrigido pela inflação (NTN-B) mais uma taxa de até 0,85% ao ano. Mas com a forte demanda dos investidores, a taxa ficará abaixo desse teto, segundo fontes de mercado. A segunda série possui vencimento em dez anos. A taxa de juros deve ficar em NTN-B mais 1% ao ano, no piso da faixa definida pela companhia, que variava até 1,20% ao ano.

A Santo Antonio Energia é controlada por um consórcio formado por Furnas, Odebrecht, Andrade Gutierrez e Cemig, além do fundo de investimentos em infraestrutura do FGTS. A empresa, responsável pelo projeto da hidrelétrica localizada no Rio Madeira, em Rondônia, pretende usar os recursos captados na implementação das 50 unidades geradoras da usina.

A emissão de debêntures deve suprir o equivalente a 3,5% dos investimentos na obra, estimados em R$ 19,5 bilhões. A operação recebeu classificação de risco ‘AA+’, a segunda melhor na escala nacional das agências Fitch e Standard & Poor’s. A oferta foi coordenada pelo BTG Pactual, ao lado dos bancos HSBC e BES Investimento.

O bom resultado da emissão da Santo Antonio surpreendeu o mercado. Os problemas enfrentados pelo setor elétrico e a recente cheia no Rio Madeira levantaram dúvidas sobre a demanda dos investidores pelas debêntures, apesar de a taxa oferecida pela empresa ser considerada atrativa.

A oferta da hidrelétrica ocorre em um início de ano fraco para as emissões de debêntures. De janeiro a março, as captações somaram R$ 9,3 bilhões, o que representa uma queda de 39% em relação ao mesmo período de 2013, de acordo com dados da Anbima. A retração é atribuída tanto à maior volatilidade dos mercados nos meses de janeiro e fevereiro como ao menor apetite das empresas por crédito.

A expectativa, porém, é que as captações de recursos no mercado de capitais com títulos de dívida ganhem fôlego nos meses que antecedem a Copa do Mundo. No início deste mês, a Petrobras obteve autorização do Ministério de Minas e Energia para realizar uma emissão de debêntures de infraestrutura.

Fonte: Valor Econômico de 9.4.2014.

Topo Voltar