Felsberg Advogados
Home | Saída de controlador do Grupo Rede é discutida há dois anos
Publicações

Saída de controlador do Grupo Rede é discutida há dois anos

Fonte: Folha de São Paulo

A saída de Jorge Queiroz Moraes Junior do comando da Rede Energia já vem sendo discutida nos bastidores há pelo menos dois anos.

Folha apurou que a sua permanência no comando tornou-se insustentável quando o endividamento do grupo chegou a 6,3 vezes a geração de caixa.

Naquele momento, os principais bancos ainda mantinham abertas as linhas de crédito, apesar da dívida.

A situação piorou quando Queiroz decidiu vender sua participação por meio de um processo aberto do qual participaram 22 empresas. Problema: elas contrataram bancos como assessores -os mesmos que eram credores do grupo Rede.

Essa situação expôs a fragilidade do grupo que, imediatamente, teve fechadas suas linhas de crédito nesses grandes bancos. A geração de caixa ficou comprometida.

A J&F, grupo comandado pelo empresário Joesley Batista, foi uma das interessadas. AFolha apurou que a proposta foi de cerca de R$ 200 milhões. Mas houve oferta de até R$ 400 milhões.

Para ganhar fôlego, Queiroz entrou com um pedido de recuperação judicial no Pará para salvar a Celpa, uma das nove distribuidoras de energia do grupo. A Justiça concedeu, e o empresário recebeu então uma oferta da J&F. Mas o negócio não foi adiante devido ao veto do BNDES.

Com o veto, Queiroz ganhou o direito de negociar a venda da Celpa e do grupo com exclusividade para a CPFL e a Equatorial.

A Celpa acabou sendo vendida para a Equatorial por R$ 1. Sozinha, a concessionária era responsável por um terço da dívida do grupo.

Sem a Celpa, Queiroz só conseguiu ter acesso a empréstimos com bancos de menor porte, entre eles, PanAmericano, Rural, BMG e BVA.

Naquele momento, o valor de mercado do grupo Rede era de R$ 3 bilhões, mesmo com ativos que, em situação normal de gestão, valiam, no mínimo, R$ 8 bilhões.

ÚLTIMA TENTATIVA

No primeiro semestre deste ano, Queiroz fez sua última tentativa de venda antes da intervenção da Aneel nas oito concessões.

A J&F estava com a proposta na mesa, mas, de novo, o BNDES teria vetado. Um dos motivos foi a falta de experiência da J&F no setor elétrico. Além disso, o banco não quis tê-la como parceira em mais uma frente de negócio.

Ambos já são sócios na JBS (frigorífico) e na recém-inaugurada Eldorado, do ramo de celulose. Somando investimento e empréstimo concedidos pelo banco, a J&F já recebeu mais de R$ 10 bilhões.

Agora, Queiroz tem a última chance de vender sua participação para a CPFL e a Equatorial, baseado no acordo de exclusividade.

Na semana passada, o Congresso aprovou a MP que definiu as regras para a intervenção com um novo complicador: nenhuma concessão do setor sob intervenção pode ser negociada com exclusividade. Se o negócio não sair agora, a Caixa poderá ter de assumir o grupo.

OUTRO LADO

Por meio de sua assessoria, o BNDES diz que não pode, como acionista minoritário da Rede Energia, interferir em decisões do controlador, que optou pela exclusividade nas negociações de venda de suas ações.

O banco estatal nega ter adotado qualquer posição que tenha prejudicado a situação financeira da Rede. “A decisão tomada é sempre a de privilegiar a melhor alternativa para as empresas e o melhor retorno”, diz.

A Caixa não quis se pronunciar sobre a recuperação judicial da Rede Energia -e sua passagem de sócia a credora- nem sobre o contrato que a obriga a assumir o controle caso não receba R$ 712 milhões de Queiroz.

Por meio de sua assessoria, a Caixa se limitou a dizer que aguarda a conclusão das negociações em curso com a CPFL e a Equatorial.

A instituição espera que elas sejam bem-sucedidas e que o novo controlador preserve os direitos do FI-FGTS no bloco de controle, garantindo proteção ao investimento feito pelo fundo em 2010.

Segundo Thomas Felsberg, advogado de Jorge Queiroz Moraes Junior, a expectativa do empresário é a de que o negócio tenha um desfecho nesta semana. O prazo da negociação com Equatorial e CPFL vence no dia 28. O pagamento à Caixa, no dia 2 de janeiro. A J&F não quis comentar. (JULIO WIZIACK E AGNALDO BRITO)

FUTURO DA REDE ENERGIA Situação de um dos principais grupos do setor elétrico brasileiro será decidida nos próximos dias

Topo Voltar