Felsberg Advogados
Home | Preço em Ipanema é 140% superior a São Paulo
Publicações

Preço em Ipanema é 140% superior a São Paulo

Fonte: O Estado de São Paulo

O distrito de Moema, em São Paulo, que engloba a Vila Nova Conceição, e Ipanema, no Rio de Janeiro, compartilham o posto de áreas mais caras de suas respectivas cidades, mas os pontos em comum entre eles não vão muito além disso.  O metro quadrado no charmoso endereço carioca é 140,33% superior ao verificado na nobre área da capital paulista, segundo dados da empresa de informações imobiliárias Geoimovel referentes a lançamentos de janeiro de 2011 a agosto de 2012.

A disparidade de preços deve-se principalmente à falta de terrenos disponíveis nas áreas tradicionalmente valorizadas da capital fluminense, na zona sul.  Além de Ipanema, os bairros do Leblon, Jardim Botânico e Lagoa figuram na frente de Moema (veja o gráfico).

No Rio, há fila de espera entre os compradores para esses bairros.  A quantidade de lançamentos é muito pequena”, diz o diretor corporativo do Geoimovel e da Amaral d’Avila Engenharia de Avaliações, Celso Amaral.  Desde o ano passado, os cinco bairros mais caros da cidade receberam, juntos, apenas oito lançamentos e 156 unidades.

De acordo com o diretor da Urban Systems, Paulo Takito, apesar de São Paulo ter uma população de alta renda maior do que na capital fluminense, a elevada oferta paulistana não permite altas de preço tão expressivas.  O desenvolvimento de áreas vizinhas aos Jardins, como Vila Nova Conceição, Itaim e Moema, por exemplo, evitariam a elevação de valores no tradicional bairro.  “Aqui temos várias zonas sul.  Lá eles têm uma.  Há limitações por causa do mar, de um lado, e da montanha, de outro. “

O diretor comercial da Private Brokers Jardins da Coelho da Fonseca, André Souyoltgis, explica que, seja qual for a cidade, a predominância de edifícios antigos e sem áreas de lazer não incomoda o público classe A das áreas nobres.  “As pessoas que moram nessas regiões não se preocupam muito com estrutura de lazer nos prédios, porque elas participam dos melhores clubes locais e elas têm outros imóveis para descanso e veraneio”, explica.

O crescimento do mercado no Rio ruma para o oeste, onde há terrenos disponíveis.  A Barra da Tijuca, com o metro quadrado avaliado em R$ 6 mil, ocupa a 13ª posição entre os maiores preços.  O bairro teve o maior número de unidades lançadas em um ano e meio, segundo o Geoimovel: 3.145 imóveis ao todo.

O vizinho Recreio dos Bandeirantes, por outro lado, é a bola da vez em número de lançamentos.  Recebeu 43 novos empreendimentos e 2.475 unidades desde o ano passado, o que representa um quinto de toda a oferta no período.  O metro quadrado de área útil por lá custa R$ 5,6 mil, o 14º do município.
“A Barra pode ser comparada ao Morumbi, porque ambos são bairros com extensões, que permitiam a expansão”, diz Souyoltgis.

Porto Maravilha.  A renovação da área portuária do Rio atualmente em execução pela prefeitura local com participação da iniciativa privada deve dar gás ao mercado imobiliário carioca. Batizada de Porto Maravilha, a operação urbana prevê, entre outras medidas, intervenções em 70 quilômetros de vias e 650 mil metros quadrados de calçadas, além de ações paisagísticas e obras de infraestrutura.

”Toda essa preparação já vem sendo feita e é a base para a urbanização. A cada dia isso vai ficar mais visível. Até as Olimpíadas, com certeza o porto estará bem diferente”, diz o diretor da Urban Systems, Paulo Takito.  Segundo ele, o projeto tem como objetivo transformar a região um polo  autossustentável, alinhando-a a conceitos mais atuais de ocupação urbana. “O plano é desenvolver um novo centro equilibrado, onde a oferta de residências, serviços, lazer e educação estejam integrados.”

Takito acredita na vocação diversificada desse novo espaço, com empreendimentos tanto de perfil compacto quanto aqueles mais amplos, para uso familiar. Em dez anos, a operação prevê aumento da densidade demográfica na área dos atuais 22mil para cerca 100 mil habitantes.

“Os lançamentos ali já estão começando”, ressalta Celso Amaral. Um complexo com torres comerciais e hotel será lançado este mês na capital fluminense

Topo Voltar