Felsberg Advogados
Home | Planos de saúde serão impagáveis em 30 anos, aponta Idec
Publicações

Planos de saúde serão impagáveis em 30 anos, aponta Idec

Consumidor que hoje compromete 7% da sua renda com o serviço passaria a usar 73% dela daqui a três décadas

O Estado de São Paulo

SÃO PAULO – Um levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) apontou que, entre 2002 e 2012, a diferença entre a inflação (IPCA) acumulada e o reajuste dos planos de saúde foi de 38,12%, o que indica que o preço deste tipo de serviço vem aumentando bem acima da reposição inflacionária. Isso significa que, dentro de 30 anos, caso as correções mantenham o mesmo ritmo, o consumidor, que hoje compromete 7% da sua renda com planos de saúde, passaria a usar 73% dela.

“Projetando a diferença dos índices para as próximas três décadas, as mensalidades serão corrigidas em 163,49% acima do IPCA”, afirma a economista do Idec, Ione Amorim. Assim, o consumidor perderia a capacidade de pagar pelo serviço.

O Idec realizou uma simulação que leva em conta um plano de saúde individual, de custo em torno de R$ 210, contratado por um usuário de 30 anos, cuja renda mensal é de R$ 3 mil. O valor do plano, neste quadro, compromete 7% desta renda. Levando em conta que sejam mantidas as regras de reajuste dos preços e as condições de reposição salarial, quando esse indivíduo fizer 60 anos ele terá mudado de faixa etária, o que faria seu plano sofrer um aumento de 296,79%.

“Além desse acréscimo, se aplicado o reajuste de 163,49% acima da inflação no período, seu plano passará dos R$ 210,07 para R$ 2.196,28, o que representaria 73,21% de sua renda, e inviabilizaria o pagamento do plano de saúde”, diz Ione.

Em 2010, o Idec realizou o mesmo levantamento, e, em vez dos 73%, chegou a 54,12%, o que aponta, segundo a instituição, que em dois anos a correção dos preços dos planos cresceu 7 pontos percentuais.

A reportagem procurou a Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge), entidade representativa dos convênios médicos, que até o momento não se manifestou sobre o assunto.

Topo Voltar