Felsberg Advogados
Home | Petrobras e a ilusão cognitiva do curto prazo
Publicações

Petrobras e a ilusão cognitiva do curto prazo

Fonte: Valor Economico

Petrobras anunciou, na última semana, mudanças contábeis que tendem a elevar seu lucro e a distribuição de dividendos. As ações preferenciais (PETR4) e ordinárias (PETR3) reagiram positivamente no pregão posterior ao anúncio. Mas o ponto que interessa é: o valor da companhia se alterou por causa da mudança? Como a análise fundamentalista vê a questão?

Na reportagem “Mudança contábil amplia dividendos e lucro da Petrobras”, publicada no Valor de 12 de julho, os repórteres Natalia Viri, Renato Rostás e Daniela Meibak explicam por que o resultado da Petrobras irá melhorar no curto prazo. Tradicionalmente, as dívidas referenciadas em outras moedas são atualizadas a cada divulgação de resultado pelo câmbio de fechamento. Com a desvalorização recente do real, o incremento da dívida lançada no passivo tem como contrapartida uma despesa de variação cambial na demonstração de resultados, reduzindo, portanto, o lucro. Essa prática contábil possui como desvantagem o aumento da volatilidade do resultado, pois, caso o real volte a se apreciar nos trimestres seguintes, o impacto será contrário, gerando uma receita de variação cambial. Importante ressaltar que, enquanto a dívida não é amortizada, esse sobe e desce do resultado é meramente contábil, sem reflexo no caixa da companhia.

Como a Petrobras também possui receita em dólar, a administração resolveu alterar a contabilização da variação cambial. Esta parcela da receita funciona como uma espécie de proteção, um “hedge” econômico. Enquanto a dívida aumenta devido à apreciação da moeda americana, o faturamento em moeda estrangeira também se eleva. Segundo a reportagem, 20% das exportações previstas para os próximos sete anos servem para proteger a variação cambial de 70% da dívida líquida em dólar. Com isso, a atualização da dívida, a partir de agora, passará a ser lançada no patrimônio líquido e não imediatamente na demonstração de resultados. O impacto da variação cambial da dívida só irá a resultado quando as exportações que a suportam também forem contabilizadas. Dessa forma, a variação cambial do faturamento da exportação tende a compensar a da dívida.

Como a despesa de variação cambial do último trimestre não será levada a resultado, o lucro da companhia aumentará. De acordo com analistas consultados pela reportagem, as perdas financeiras de R$ 10 bilhões devem se reduzir para R$ 3 bilhões. As ações, tanto preferenciais quanto ordinárias, reagiram bem ao anúncio, subindo 3,88% e 7,25%, respectivamente, no pregão da última quinta.

Mas o valor intrínseco da companhia se alterou por causa da mudança da prática contábil? A resposta é não. Como dito anteriormente, essas remarcações da dívida possuem apenas efeito contábil, logo sem reflexo no caixa. Assim, um analista que utiliza o fluxo de caixa descontado para avaliar o valor da companhia não deveria alterar sua percepção sobre a mesma.

É verdade que o aumento dos dividendos no curto prazo pode animar o investidor de acordo com a teoria do ‘pássaro na mão’. Segundo essa corrente, os acionistas são céticos em relação ao bom uso do dinheiro pelos gestores das empresas, logo preferem receber os recursos excedentes a deixá-los ao poder discricionário da administração. Mas isso justifica uma apreciação de mais de 7% das ações ON em apenas um dia? E mais, há uma preocupação sobre a capacidade financeira da companhia de suportar os pesados investimentos nos próximos anos. Alguns analistas não descartam uma oferta de ações no médio prazo, o que diluiria os atuais acionistas. Logo, um aumento dos dividendos sem geração de caixa adicional deve ser considerado negativo — e não positivo.

O maior beneficiado com essa distribuição maior de dividendos são os acionistas votantes, entre eles a União, o acionista controlador, pois tais ações não possuem a garantia dos dividendos mínimos como ocorre com as preferenciais. Expliquei em detalhes como funciona o cálculo do dividendo mínimo da Petrobras no post “Dividendos da Petrobras: corte poderia ter sido pior”, de 19/02/2013. Para parte do mercado, esta alteração teve como principal propósito aumentar o superávit fiscal do governo.

Como o argumento para a valorização das ações da Petrobras era tão consistente como uma manteiga ao sol, os papéis entregaram parte dos ganhos no pregão da última sexta. As ações votantes caíram 1,68% e as preferenciais, 2,34%.

Embora haja incertezas (como a necessidade ou não de uma nova capitalização), as ações da Petrobras estão atrativas levando em conta a análise por múltiplos. Além disso, a aceleração da produção do pré-sal deve gerar um impacto positivo sobre o resultado com aumento relevante do retorno sobre o patrimônio líquido. Contudo, isso não significa que o investidor deva se entusiasmar por análises superficiais, com foco no curto prazo. A aposta em Petrobras deve ter em vista um horizonte mais largo. Vai uma dica para separar notícias relevantes de quimeras como esta da Petrobras: sempre se pergunte se a nova informação irá alterar o valor da companhia.

 

 

Topo Voltar