Felsberg Advogados
Home | Mulheres incrementam consórcio imobiliário
Publicações

Mulheres incrementam consórcio imobiliário

O Dia, Cristiane Campos, 11/Nov

Sistema não cobra juros e o FGTS pode ser utilizado como se fosse um financiamento

A participação dos jovens de 20 a 29 anos no sistema de consórcio vem crescendo. Este público registrou alta de 50% no período entre 2006 e 2012. Além disso, as mulheres também estão marcando presença nessa linha, com aumento de 45,8%.

Os dados fazem parte da Pesquisa da Abac (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios). O sistema não cobra juros e o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) pode ser utilizado para antecipar o acesso ao bem ou para amortizar as parcelas e até mesmo para comprar um imóvel mais caro, desde que não ultrapasse R$500 mil.

Atualmente, todos os bancos oferecem a modalidade. Para se ter ideia, o Bradesco ocupa o primeiro lugar no ranking nacional do segmento. De acordo com o Banco Central, em agosto o número de participantes ativos no sistema era 662 mil. Há cinco anos eram 500.900, crescimento de 32,2%.

O modelo permite a aquisição de carta de crédito que se encaixa no orçamento das famílias, além de respeitar os valores dos imóveis em todo o país. O tíquete médio das cotas é de R$ 109.400, segundo a Abac. No sistema, a contemplação acontece por sorteio ou lance.

Neste caso, o interessado oferece um valor para conseguir o bem mais rápido. O prazo de pagamento também varia e chega a 200 meses. Quem quiser participar do sistema deve procurar uma administradora ou instituição financeira. Mas a dica é verificar no site do Banco Central (www.bcb.gov.br) se a empresa está autorizada a operar. Também é preciso analisar o percentual cobrado na taxa de administração, fundo de reserva e seguro.

Cresce o número de brasileiros que optam pela compra programada

Os brasileiros estão optando cada vez mais pelo sistema de consórcio para comprar a casa própria. Dados do Banco Central mostram que em 2011, o percentual representava 11% e este ano já está em 14,4%, se forem considerados os contratos de financiamentos assinados pelo SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo). Um em cada sete imóveis comercializados no País é por consórcio.

Pesquisa encomendada pela Abac à Quorum Brasil revela que o consórcio de imóveis foi apontado em segundo lugar como bem de futuro, atrás apenas do próprio imóvel. “Portanto, a realização do principal desejo do brasileiro pode ser concretizada pelo sistema unindo-se o objetivo ao meio de aquisição”, diz Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da Abac.

O diretor da Champions Imobiliária, Rômulo Aquino, afirma que tem aumentado o interesse em imóveis pelo consórcio. Ele analisa: “São pessoas que buscam um apartamento ou uma casa mais caros”.

Caixa amplia teto para R$ 700 mil

A Caixa Consórcios acaba de anunciar a ampliação do valor máximo da carta de crédito, que passou de R$ 300 mil para R$ 700 mil. O prazo de pagamento também aumentou de 150 para 200 meses.

Segundo a Caixa, o modelo é uma opção planejada e econômica para quem não tem condições financeiras de comprar um bem à vista, já que não há incidência de juros sobre as parcelas. O cliente tem a comodidade de programar o orçamento doméstico, escolhendo o grupo que mais se encaixe ao seu bolso.

Além dos novos valores, o consórcio imobiliário da Caixa tem cartas a partir de R$ 30 mil, com prazos de 120, 150 e 200 meses, conforme o valor do crédito. Em outubro, vendas desse consórcio registraram aumento de 35% em cotas em relação ao mesmo período em 2011.

 

Topo Voltar