Felsberg Advogados
Home | Inflação do aluguel sobe em agosto e registra alta de 7,71% em 12 meses
Publicações

Inflação do aluguel sobe em agosto e registra alta de 7,71% em 12 meses

IGP-M acelera e fica em 1,43% em agosto

Usado para reajuste de contratos de aluguel, índice acumula alta de 7,72% em 12 meses

Fonte: O Estado de São Paulo

SÃO PAULO – O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 1,43% em agosto, depois de avançar 1,34% em julho, divulgou nesta quinta-feira a Fundação Getúlio Vargas (FGV). A taxa ficou dentro do intervalo previsto nas estimativas do mercado. Até agosto, o IGP-M, índice bastante usado para reajuste de contratos de aluguel, acumula altas de 6,07% no ano e de 7,72% nos últimos 12 meses.

A desaceleração do subgrupo alimentos in natura, de 4,61% em julho para 0,98% em agosto, impediu um avanço maior do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), dentro do IGP-M. O IPA subiu 1,99% neste mês, após alta de 1,81% em julho.

Outras influências de baixa sobre o IPA de agosto ficaram com minério de ferro (de 1,49% para -3,35%), feijão em grão (de -5,04 para -6,54%), bovinos (de -0,32% para -1,20%), mamão (de -1,65% para -11,59%) e querosene de avião (de -1,65% para -3,04%).

Por outro lado, as maiores pressões de alta sobre o IPA vieram de soja em grão (de 14,89% em julho para 10,72% em agosto), milho em grão (de 6,74% para 20,33%), farelo de soja (de 15,36% para 15,41%), aves (de 0,84% para 11,18%) e suínos (de -2,98% para 26,69%).

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), os bens finais subiram 0,71%, ante 1,04% em julho. Se excluídos os subgrupos alimentos in natura e combustíveis, o índice de bens finais (ex) registrou variação positiva de 0,75%. Em julho, a taxa foi de +0,29%.

Os preços no atacado no estágio intermediário, que desaceleraram de 1,34% em julho para 0,83% em agosto, foram influenciados, principalmente, pelo subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cujos preços passaram de 1,36% para 0,59% no período.

Já a taxa dos bens intermediários (ex), calculada após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, subiu 0,54% em agosto, ante 1,05% em julho. O índice de matérias-primas brutas acelerou a alta para 4,92% em agosto, ante 3,31% no mês anterior, sendo os maiores responsáveis pelo avanço, segundo a FGV, os itens milho em grão, aves e suínos.

O grupo Habitação foi o que mais contribuiu para a aceleração da alta do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) em agosto ao variar de 0,18% em julho para uma alta de 0,29% neste mês, no âmbito IGP-M.

Nesta classe de despesa, o destaque ficou para o comportamento do item móveis para residência, cuja taxa de variação passou de -0,37% para +0,53% no período. O IPC como um todo acelerou de 0,25% em julho para 0,33% em agosto.

Dentro do IPC também apresentaram aceleração da alta de preços, na passagem de julho para agosto, os grupos Saúde e Cuidados Pessoais, cuja taxa passou de 0,32% para 0,43%; Educação, Leitura e Recreação, que saiu de 0,27% para 0,54%; e Comunicação, que variou positivamente 0,31% neste mês, ante +0,17% no anterior.

Em direção contrária, estiveram os grupos Alimentação (de 1,06% para 1,00%) e Despesas Diversas (de 0,39% para 0,24%), que apresentaram desaceleração da alta em suas taxas. Já os grupos Vestuário (de -0,83% para -0,58%) e Transportes (de -0,39% para -0,34%) reduziram suas taxas negativas.

Os itens que mais exerceram pressão de alta no IPC de agosto foram tomate (de 51,28% para 36,32%), plano e seguro de saúde (de 0,55% para 0,59%), cenoura (de 28,70% para 21,59%), sanduíches (de 1,36% para 1,55%) e taxa de água e esgoto residencial (de 0,00% para 1,04%). Por outro lado, as maiores influências de baixa no indicador vieram de automóvel usado (de -2,13% para -2,50%), automóvel novo (de -1,29% para -0,49%), feijão carioca (de -3,78% para -8,29%), blusa feminina (de -0,29% para -1,84%) e etanol (de -1,68% para -0,98%).

Construção

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou alta de 0,32% em agosto, abaixo da variação positiva observada em julho, de 0,85%. A maior influência para a desaceleração foi do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços, cuja taxa passou de 0,63% em julho para 0,36% neste mês. O índice que representa o custo da mão de obra variou positivamente em 0,28% em agosto, ante +1,05% em julho.

Os destaques na pressão de baixa do INCC vieram de cimento portland comum, cujos preços variaram de -0,02% em julho para -0,15% em agosto; e portas e janelas de madeira, que passaram de 0,65% para -0,29% no período. Dos cinco itens com maior influência de alta no INCC, quatro apresentaram desaceleração de preços: ajudante especializado (de 1,02% para 0,47%), servente (de 1,13% para 0,33%), vergalhões e arames de aço ao carbono (de 4,24% para 0,79%), projetos (de 0,64% para 0,62%). Por sua vez, o item referente a tubos e conexões de PVC foi o único a registrar taxas de variação maiores em agosto, ante julho.

Topo Voltar