Felsberg Advogados
Home | CONSTRUÇÃO: Construção do RS tem melhor desempenho das últimas décadas
Publicações

CONSTRUÇÃO: Construção do RS tem melhor desempenho das últimas décadas

O Índice de Atividade da Construção Civil Gaúcha (IAC/RS) cresceu 8,73% em 2010, na sua série dessazonalisada, na comparação com o ano anterior. A estimativa foi divulgada nesta quinta-feira pelo presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS), Paulo Vanzetto Garcia, em coletiva à imprensa, realizada no Hotel Plaza São Rafael, em Porto Alegre. Segundo o dirigente, o desempenho do setor no estado foi o melhor das últimas décadas.

Garcia ainda destacou – segundo nota do Sinduscon – que no ano passado o resultado foi fortemente influenciado pelo segmento imobiliário, que compensou parcialmente o baixo dinamismo observado tanto na área de obras públicas como privadas – que, por sua vez, já sinalizam uma recuperação para o próximo ano.

Em nível nacional, segundo dados do Banco Central, o PIB da indústria da construção registrou um crescimento mai or de 11,5% em 2010 na comparação com 2009.

Para 2011, o presidente do Sinduscon-RS projeta incremento de 5,5% na atividade da indústria da construção civil gaúcha. Ainda assim, Garcia alerta que a expectativa pode ser freada caso não sejam superados gargalos que o setor vem enfrentando, entre eles a falta de mão de obra qualificada e a ausência de reformas que desonerem tanto a carga tributária quanto os encargos trabalhistas. Já para o PIB setorial nacional, e previsão é de crescimento na ordem de 6,6%.

A nota do Sindicato ainda destaca que, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego, o setor da construção civil do País registrou crescimento de 14,75% no saldo líquido das contratações de janeiro até novembro de 2010, em comparação ao mesmo período de 2009, o que corresponde em termos absolutos a 333.776 vagas criadas. Já no Rio Grande do Sul, a expansão foi de 16,92%, resultando na geração de 18.146 vagas.

Topo Voltar