Felsberg Advogados
Home | Consórcio em débito: faça acordo ou venda
Publicações

Consórcio em débito: faça acordo ou venda

Maria Paula Autran – Folha de São Paulo

A alta da inadimplência pode afetar também o pagamento dos consórcios, principalmente de quem ainda não teve a cota contemplada.

Preço de imóvel é irreal e insustentável, diz estudo
Cresce opção por modelo completo no Imposto de Renda
Folha tira dúvidas sobre investimentos; envie a sua

A modalidade é uma forma de crédito feita por um grupo que tem um interesse comum, como um carro ou um imóvel. Periodicamente há sorteios em que um ou mais consorciados ganham o direito de adquirir o bem.

O problema é que, se o cotista mudar de planos no meio do caminho ou tiver dificuldades financeiras, a parcela pode pesar no bolso.

Mas, segundo especialistas, há soluções. Quando isso acontece, o consumidor deve negociar uma redução do crédito com a administradora. Se não conseguir –ou não for do interesse dele–, uma opção é vender a cota.

Para isso, ele pode tentar passar o consórcio adiante para qualquer pessoa que queira comprá-lo.

Também há sites na internet que compram e vendem cotas de consórcio.

Para o educador financeiro Mauro Calil, vender a cota é um direito do consorciado e, mesmo se houver um deságio para o antigo cotista, “às vezes é melhor se livrar da dívida do que ficar toda noite pensando nela”.

Mas, seja qual for a forma da operação, tudo deve ser feito com a autorização da administradora, que precisa aceitar o comprador, alerta a Abac (associação das administradoras de consórcios).

Outra via é parar de pagar até regularizar a situação, diz Calil. Nesse caso, haverá algumas punições, como a perda do direito de participar dos sorteios, dependendo das regras do grupo.

 

Editoria de Arte/Folhapress

PLANEJAMENTO

Os especialistas lembram, no entanto, que o consórcio é uma modalidade de crédito e, antes de tudo, exige planejamento e sorte.

Para o educador financeiro Reinaldo Domingos, é preciso ter convicção de que vai ser possível pagar –para isso é bom ter uma reserva– e lembrar que o bem pode demandar despesas extras.

Topo Voltar