Felsberg Advogados
Home | Britânica 3i deixa o país e executivos criam gestora
Publicações

Britânica 3i deixa o país e executivos criam gestora

Por Vinícius Pinheiro

Os executivos que estavam à frente do escritório local da firma britânica de private equity 3i Group criaram uma nova gestora e fecharam um acordo para assumir o portfólio da empresa, que decidiu deixar o país.

Batizada de Atlântico Sul Capital Partners, a gestora terá o executivo Marcelo di Lorenzo, até então responsável pelo escritório da 3i no país, como sócio-diretor. Procurada, a empresa não comentou o assunto.

Com um total de US$ 21,5 bilhões sob gestão, a 3i deixa o Brasil apenas três anos após a criação de um escritório local, com a contratação da equipe que cuidava dos investimentos em private equity do Standard Bank. Na ocasião, houve um acordo semelhante e a gestora assumiu a gestão da Casa do Pão de Queijo, único investimento do banco no país e que teve posteriormente a participação recomprada pela família fundadora.

Com foco na aquisição de participações em empresas de médio porte, a 3i fechou no fim de 2011 um investimento de R$ 100 milhões na provedora de serviços de TV a cabo e banda larga Blue Interactive. No ano passado, a gestora anunciou a compra do controle da Óticas Carol, em um negócio de R$ 108 milhões.

Em entrevista ao Valor em maio passado, durante visita ao país, o presidente mundial da 3i, Simon Borrows, afirmou que permanecia otimista com as perspectivas para a economia brasileira. A gestora chegou a iniciar o processo de captação de um fundo da ordem de US$ 500 milhões dedicado ao país, segundo fontes de mercado. No início do ano, porém, a firma mudou os planos radicalmente e anunciou que não faria nenhum novo investimento no Brasil.

Com o acordo, os executivos da Atlântico Sul assumem a gestão das participações da 3i nas duas empresas. Com estrutura independente, tentarão manter os planos de investimento, de olho em aportes entre US$ 15 milhões e US$ 75 milhões por companhia. Enquanto não captam um fundo próprio, devem se valer de recursos de coinvestidores.

O anúncio da saída da 3i é apontado no mercado de private equity mais como um movimento isolado do que algo relacionado ao atual ciclo econômico do país. A gestora vem implementando desde o ano passado uma ampla reestruturação no exterior, que culminou na saída ou substituição de vários profissionais. Além do Brasil, a 3i fechou escritórios na Ásia e decidiu ampliar os esforços na área de infraestrutura na Europa.

Fonte: Valor Econômico de 14.4.2014.

Topo Voltar