Felsberg Advogados
Home | Brasileiros compram mais imóveis em Nova York
Publicações

Brasileiros compram mais imóveis em Nova York

Brasil Econômico, 19/mar

Com o mercado aquecido, o retorno do investimento fica em torno de 5% a 6% ao ano, em dólar, para quem quer alugar

Brasileiro procura espaço luxuoso tanto para férias como para negócios

Depois de Miami e Orlando, os imóveis em Nova York são os alvos preferidos dos brasileiros nos Estados Unidos. Eles já ocupam a sexta posição entre os estrangeiros que mais compraram imóveis na cidade em 2012, atrás apenas dos canadenses, chineses, mexicanos, indianos e ingleses. De acordo com a consultoria em pesquisa do mercado imobiliário Hibou/Zapt, no ano passado, a alta foi de 21% em relação a 2011, enquanto na venda para os americanos foi de apenas 4%.

O diretor da Imobiliária Elite International Realty Leo Ickowicz afirma que o perfil dos brasileiros que compram em Nova York é diferente. “São brasileiros que buscam apartamentos de preço maior com espaço luxuoso e confortável tanto para férias como para negócios”, disse Ickowicz. Para o empresário, o mercado imobiliário americano segue aquecido para brasileiros porque lá os preços e os juros estão baixos e há perspectivas de valorização, enquanto que, no Brasil, os preços dos imóveis continuam em alta.

Para Frederico Gouveia, corretor da imobiliária americana parceira da Elite, The Corcoran Group, o que mais chama atenção dos brasileiros é a valorização da região e a alta liquidez. Para quem compra com objetivo de alugar, o retorno do investimento fica em torno de 5% a 6% ao ano, e em dólar. “Os incorporadores não param de adquirir terrenos e prédios antigos para demolir e construir novas residências de alto padrão para atender a enorme procura”.

Latinos

Cada vez mais empresários da Argentina, Brasil, México e Venezuela estão agindo para atender à demanda dos latino-americanos que buscam um lugar estável para colocar o seu dinheiro e garantir renda extra por meio de aluguéis.

Os empreendedores estão capitalizando com a visão de longo prazo dos latino-americanos de que imóveis em Miami são um refúgio seguro contra a volatilidade política e econômica em casa. Desvalorizações da moeda recentes na Argentina, Brasil e Venezuela e os temores de que as moedas desses países possam continuar a se desvalorizar estão impulsionando a compra de bens, dizem corretores.

Um grande aumento nos preços de imóveis na América Latina também tornou as propriedades de Miami mais atraentes. O aumento da presença de empresários latino- americanos mostra como o crescimento econômico da região deu lhes uma oportunidade sem precedentes de olhar para além de suas próprias fronteiras para construir.

“Antes, nós éramos mais isolados e olhávamos para dentro. Agora nós começamos a pensar mais globalmente”, disse Eduardo Constantini, chefe da Consultatio, uma grande companhia imobiliária da Argentina.

Como muitos outros empreendedores, a Consultatio viu uma oportunidade na crise de Miami e se aproveitou de uma queda acentuada nos preços para comprar um dos dois terrenos no qual está agora construindo.

O grupo pagou US$ 80 milhões em 2009 por um terreno à beira-mar em Key Biscayne, uma das zonas mais exclusivas de Miami, onde a construção está em andamento. São 154 unidades no condomínio de torres gêmeas com preços que começam em mais de US$ 1 milhão.

 

 

Topo Voltar