Felsberg Advogados
Home | BID sinaliza apoio ao álcool com investimento recorde
Publicações

BID sinaliza apoio ao álcool com investimento recorde

Folha de São Paulo

BID sinaliza apoio ao álcool com investimento recorde

Banco regional elege Brasil como modelo ao destinar US$ 269 mi a três usinas

Nos últimos meses, órgãos como FMI, ONU e Bird têm atribuído aos biocombustíveis parte dos aumentos nos preços dos alimentos

SÉRGIO DÁVILA
DE WASHINGTON

O BID (Banco Interamericano de Investimentos) resolveu mandar um recado aos que culpam os biocombustíveis pela alta nos preços dos alimentos ao investir pesado nos primeiros e escolher o Brasil como país-modelo. Ontem, ele aprovou um empréstimo de US$ 269 milhões para três usinas de álcool em MG e GO.
A instituição diz que a cifra é recorde de investimento no setor para um banco de desenvolvimento. Soma-se ao total US$ 379 milhões que o BID ajudará a levantar em bancos comerciais. No fim do projeto, afirma o banco, o investimento total será de US$ 1,1 bilhão.
“É importante diferenciar [os projetos] que são sustentáveis dos que não são”, afirmou o presidente do BID, Luis Alberto Moreno, em almoço com jornalistas brasileiros na sede da entidade, em Washington. “Não se trata de dizer que os biocombustíveis são bons ou maus”, disse o colombiano, que chegará hoje ao Brasil para visita de seis dias ao país.
“É o reconhecimento do BID de que a cana-de-açúcar é uma das melhores matérias-primas para produzir combustível renovável”, disse à Folha Joel Velasco, representante-chefe na América do Norte da Unica, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar. Nos últimos meses, entidades multilaterais como o FMI (Fundo Monetário Internacional), o Bird (Banco Mundial) e a ONU vêm criticando a explosão de programas de biocombustível e colocando neles parte da culpa pela alta recente dos preços de alimentos. Danos ambientais são outra preocupação apontada.
O Brasil e os EUA são os dois maiores produtores de álcool, embora a matéria-prima brasileira seja a cana-de-açúcar, considerada muito mais eficiente que o milho, utilizado pelos americanos. O governo brasileiro defende que menos de 2% da terra agricultável é utilizada pelo programa.
As usinas escolhidas pelo BID para fazer seu maior investimento são consideradas exemplos “avançados” de produtividade, sustentabilidade e adequação ambiental, segundo Warren Weissman, chefe de finança corporativa do banco. Prontas, elas produzirão 420 milhões de litros de álcool por ano -naco significativo da produção brasileira atual, de 17 bilhões de litros por ano.
Além disso, gerarão a sua própria eletricidade com a queima do bagaço e poderão abastecer até 400 mil residências com o excedente. Quem comanda a construção é a Companhia Nacional de Açúcar e Álcool, constituída pela brasileira Santelisa Vale, por fundos privados americanos e pela Global Foods, registrada nas Antilhas Holandesas.
Segundo Moreno, o projeto foi aprovado por unanimidade na diretoria do banco -são 47 os países-membros, dos quais 26 de América do Sul, América Central e Caribe, que são acionistas majoritários; EUA, Canadá, Israel, Japão, Coréia do Sul e 16 países europeus participam como não-mutuários. Era dos últimos que se esperava oposição. “Os brasileiros já fazem isso há muitos anos, o que existe aqui é uma grande oportunidade”, disse Moreno.

Topo Voltar