Felsberg Advogados
Home | Belo Monte entra na mira de grandes empresas
Publicações

Belo Monte entra na mira de grandes empresas

Folha de São Paulo

Belo Monte entra na mira de grandes empresas

Companhias como Vale, Votorantim, CSN e Alcoa avaliam participação em usina

Governo vai liberar fatia de 20% do projeto para os chamados autoprodutores e assim avalia que conseguirá dois consórcios na disputa

AGNALDO BRITO
DA REPORTAGEM LOCAL

Pelo menos quatros grandes grupos industriais montaram comitês internos para estudar a participação no leilão da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. A obra será a maior do país depois de Itaipu, terá custo estimado em R$ 20 bilhões e demorará dez anos para ficar pronta. A responsabilidade do projeto é da Eletrobrás. Entre os grupos estão a Vale do Rio Doce, a Votorantim, a Alcoa e a CSN (Companhia Siderúrgica Nacional). O empreendimento está em fase de licenciamento ambiental, mas a expectativa do governo é colocar o projeto em leilão até o fim deste ano.
A participação desses grupos como investidores pode viabilizar o plano do governo federal de conseguir a formação de dois consórcios. Além dos autoprodutores, construtoras como a Camargo Corrêa, Odebrecht e Andrade Gutierrez devem integrar os consórcios. Como investidores, a CPFL e a Neoenergia, ambas com participações da Previ, também podem fazer parte da disputa.
Em entrevista à Folha, Maurício Tolmasquim, presidente da EPE (Empresa de Pesquisa Energética), disse que conseguiu “mapear” os grupos interessados e que o modelo que permite a participação dos autoprodutores nos consórcios garantirá a formação de dois consórcios. O governo estava preocupado com o risco de haver apenas um consórcio na disputa, o que acabaria com a concorrência observada no leilão das usinas do rio Madeira.
Além dos autoprodutores, outro trunfo do governo é o grupo Eletrobrás, que poderá entrar no negócio como holding ou dividir a partir das subsidiárias, que poderiam buscar as composições nos consórcios. “A participação da Eletrobrás como holding ou através das subsidiárias não muda nada. Para o mercado, a forma independe”, disse.
Para abrigar os autoprodutores, o governo irá mudar o modelo de divisão da energia em relação àquele usado nas usinas do rio Madeira. A parte destinada aos consumidores livres será reduzida de 30% para 10%. Os 20% ficarão para os consórcios que conseguirem atrair os autoprodutores. Nesse caso, a parte do mercado cativo (formado pelas distribuidoras que compram energia para atender aos consumidores comuns) continuará em 70%, como no rio Madeira.
Mas caso não haja autoprodutores, o consórcio terá então de vender não mais 70% ao mercado cativo, mas 90% da energia. Uma fonte ligada aos autoprodutores disse que a oferta de 20% para os grandes grupos industriais é razoável, mas há grandes dúvidas ainda sobre os riscos ambientais e sociais do projeto, além da falta de informações sobre o valor real da obra. Em princípio, os autoprodutores querem investir, mas sem o risco ambiental. O governo, em princípio, não aceitou.
Hoje, a Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base) promoverá encontro para discutir o projeto. Autoridades da área energética do governo devem participar do evento e a expectativa é que muitos esclarecimentos sobre o edital de Belo Monte sejam divulgados.

Topo Voltar