Felsberg Advogados
Home | BC holandês dá aval para venda do Real
Publicações

BC holandês dá aval para venda do Real

Folha de São Paulo

BC holandês dá aval para venda do Real

Autoridade monetária afirma que não se opõe à cisão do grupo ABN Amro entre os bancos Santander, Fortis e RBS
Negócio ainda segue em análise no BC brasileiro; futuro da marca não foi definido, mas produtos “verdes” serão mantidos

TONI SCIARRETTA
DA REPORTAGEM LOCAL

O Banco Central holandês liberou ontem a cisão mundial do ABN Amro entre Santander, Fortis e RBS -os membros do consórcio que arrematou o grupo holandês por cerca de 91 bilhões no ano passado. Aguardada desde o início de julho, a não-objeção ao negócio abre caminho no Brasil para o Santander iniciar a integração com o Banco Real.
Fábio Barbosa, atual presidente do Real, deve assumir o comando do Santander no Brasil ainda neste mês, conforme adiantou a Folha. A expectativa é que a posse aconteça na sexta, dia 25, quando também será anunciado o novo organograma do grupo no país.
José Paiva, interino na presidência do Santander, deverá ser o número 2 do banco. Até a saída do colombiano Gabriel Jaramillo, em fevereiro, Paiva era vice-presidente de Negócios e Marketing.
“O Banco Central Holandês emitiu a DNO (Declaração de Não-Objeção), que permite o desmembramento do Banco Real das operações do ABN, com matriz na Holanda. Com isso, o Santander fica autorizado a incorporar o Banco Real no Brasil, o que deverá ocorrer nos próximos dias. A princípio, as duas instituições continuam a operar separadamente e nada muda para seus funcionários e clientes”, afirmou o Santander.
No Brasil, o BC ainda analisa o negócio, que foi aprovado pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) em dezembro passado. A integração completa entre os dois bancos deve demorar três anos e prevê ganhos de 700 milhões em sinergia até 2010.
O banco afirma que não pretende abrir um programa de incentivo a demissões, como aconteceu na incorporação do Banespa, nem que terá cortes significativos de postos.
O Santander ainda não definiu o futuro da marca Real. O banco realiza pesquisas junto a clientes e ao público para avaliar a força do nome. Inicialmente, o banco descartava manter a marca, mas a idéia ganha adeptos importantes, e a marca Real poderá ser mantida ou associada à do Santander. Além de ser o nome da moeda brasileira, pode ser associado à monarquia espanhola.
Quanto à continuidade dos produtos socioambientais do Real, outra dúvida no mercado, Fábio Barbosa não só convenceu os espanhóis a manterem esses negócios como teve o aval para ampliá-los. O Real foi um dos primeiros bancos a associar sua imagem com a bandeira do desenvolvimento sustentável e a negociar créditos de carbono, financiar a adoção de fontes alternativas de energia e a conversão de automóveis para gás natural, entre outros.
José Berenger, que comandava a Tesouraria do Real, já responde pela vice-presidência de Atacado do Santander. Em abril, Alexandre Schwartsman, ex-diretor do BC, também mudou do Real para o Santander, onde é o economista-chefe.

Topo Voltar